Atento aos detalhes

Em entrevista coletiva, técnico Luís Castro detalha trabalho em busca por evolução coletiva

Atualizado em 24-06-2022 às 14:00

Na manhã desta sexta-feira (24/06), o técnico Luís Castro concedeu entrevista coletiva à imprensa no CT Lonier, antes do treino de preparação para o clássico entre Botafogo e Fluminense, pela 14º rodada do Campeonato Brasileiro, no próximo domingo (26/06), às 16h, no Estádio Nilton Santos.

Castro falou sobre a semana de preparação para o confronto diante do Fluminense, após a grande vitória contra o Internacional na última rodada.

"Foi uma semana difícil, com muitos problemas que vieram em uma sequência de uma invasão e uma festa no aeroporto, um começo de jogo contra o Internacional cheio de problemas. Foi um jogo de complexidade enorme para os jogadores se dividirem em campo e para os treinadores durante esse período. Acho que tudo isso que nos foi acontecendo, foi fundamental para nós percebermos onde queremos ir, qual caminho queremos percorrer e fazer com que todos que estão à nossa volta saibam seu caminho, a forma como devem  estar no futebol e não se deixar perturbar por um conjunto de emoções que estão à nossa volta. Saber exatamente o que querem de cada dia, cada jogo e de cada momento de seu treino", disse o treinador.

O comandante português comentou também sobre as mudanças que foram realizadas na estrutura da equipe e também sobre seus princípios de jogo. 

"Há duas vitórias totalmente distintas após as quatro derrotas, assim como também há derrotas distintas na forma como aconteceram. Detalhar isso levaria muito tempo, então digo que as duas vitórias não tem uma haver com outra, uma é feita no sistema 5-4-1 e outra em 4-4-1, uma é com uma igualdade numérica em relação ao adversário como foi contra o São Paulo e outro é de um domínio em termos numéricos do adversário e é feita com 26 minutos do tempo extra, acréscimos em cima de acréscimos, decréscimo de nossa equipe em campo. 

"Houve realmente uma pequena inversão, eu sempre disse que nós não abdicando daquilo que são nossos princípios e de nossas ideias haverá sempre variantes. Digo isso em cada coletiva e a cada vez que me comunico, nós treinadores temos de olhar o contexto e devemos perceber aquilo que temos nas mãos, temos que perceber de forma rápida para podermos retificar alguns caminhos que vamos percorrendo, sem abdicar daquilo que eu acho que deve ser um jogo", - finalizou.

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA NA BOTAFOGO TV:

Assessoria de Comunicação

Na manhã desta sexta-feira (24/06), o técnico Luís Castro concedeu entrevista coletiva à imprensa no CT Lonier, antes do treino de preparação para o clássico entre Botafogo e Fluminense, pela 14º rodada do Campeonato Brasileiro, no próximo domingo (26/06), às 16h, no Estádio Nilton Santos.

Castro falou sobre a semana de preparação para o confronto diante do Fluminense, após a grande vitória contra o Internacional na última rodada.

"Foi uma semana difícil, com muitos problemas que vieram em uma sequência de uma invasão e uma festa no aeroporto, um começo de jogo contra o Internacional cheio de problemas. Foi um jogo de complexidade enorme para os jogadores se dividirem em campo e para os treinadores durante esse período. Acho que tudo isso que nos foi acontecendo, foi fundamental para nós percebermos onde queremos ir, qual caminho queremos percorrer e fazer com que todos que estão à nossa volta saibam seu caminho, a forma como devem  estar no futebol e não se deixar perturbar por um conjunto de emoções que estão à nossa volta. Saber exatamente o que querem de cada dia, cada jogo e de cada momento de seu treino", disse o treinador.

O comandante português comentou também sobre as mudanças que foram realizadas na estrutura da equipe e também sobre seus princípios de jogo. 

"Há duas vitórias totalmente distintas após as quatro derrotas, assim como também há derrotas distintas na forma como aconteceram. Detalhar isso levaria muito tempo, então digo que as duas vitórias não tem uma haver com outra, uma é feita no sistema 5-4-1 e outra em 4-4-1, uma é com uma igualdade numérica em relação ao adversário como foi contra o São Paulo e outro é de um domínio em termos numéricos do adversário e é feita com 26 minutos do tempo extra, acréscimos em cima de acréscimos, decréscimo de nossa equipe em campo. 

"Houve realmente uma pequena inversão, eu sempre disse que nós não abdicando daquilo que são nossos princípios e de nossas ideias haverá sempre variantes. Digo isso em cada coletiva e a cada vez que me comunico, nós treinadores temos de olhar o contexto e devemos perceber aquilo que temos nas mãos, temos que perceber de forma rápida para podermos retificar alguns caminhos que vamos percorrendo, sem abdicar daquilo que eu acho que deve ser um jogo", - finalizou.

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA NA BOTAFOGO TV:

Assessoria de Comunicação