notícia

Identidade Alvinegra - Felipe Tigrão

Revelado no clube, Felipe relembra sua trajetória de aluno a professor no Glorioso
Atualizado em 27-01-2015, 19:01

Presente no Site Oficial do Botafogo desde 2013, a série de reportagens "Identidade Alvinegra" está de volta. Com o objetivo de narrar histórias de identificação entre personagens alvinegros e o clube, a sequência ganha um novo capítulo e tem como personagem Felipe Tigrão, de 35 anos, ex-atleta formado nas categorias de base alvinegra e que hoje faz o papel de formador de jovens como Felipe Conceição, treinador da equipe Sub-17 do Glorioso.


De aluno a professor: Identidade Alvinegra conta a história de Felipe Tigrão.

Nascido em uma família alvinegra, a relação de Felipe com o Botafogo se iniciou bem cedo. Aos 16 anos, o ainda menino conseguiu uma oportunidade de ouro ao ser selecionado para fazer teste do seu clube de coração. Felipe foi bem e conseguiu ser selecionado para atuar na categoria juvenil, que por coincidência é a categoria que treina hoje. Jogando como atacante, o jovem impressionou a todos com um início incrível, foram 12 gols em 8 jogos na categoria juvenil. Ao chegar aos juniores, os números melhoraram e, em um ano e meio de Sub-20, Felipe anotou 25 gols além de ter levantado inúmeros títulos.

- Jogar no Botafogo era um sonho, até porque era o clube da família. O meu pai é botafoguense, então só de realizar um teste aqui já foi questão de ansiedade para a família toda. Passei no teste, fui federado e no ano seguinte disputei meu primeiro campeonato pelo Botafogo no Juvenil. Consegui números muito bons e chamei a atenção do clube todo, foi muito rápido. Depois, em um ano e meio de juniores fiz 25 gols. Fui Bicampeão carioca e campeão da OPG. - relembrou o treinador.

Após o sucesso na base, a promoção de Felipe para a equipe profissional se tornou inevitável. Paulo Autuori, treinador da época, foi quem deu a primeira chance para Felipe no time de cima. Foram cinco anos vestindo a camisa do Glorioso e balançando as redes dos adversários. Foi no time principal que Felipe se tornou Felipe Tigrão, sugestão de Donizete Pantera, o apelido pegou e o marcou durante toda sua passagem no clube.

- Tigrão é um apelido que hoje já não uso mais, hoje sou Felipe Conceição, pois soa melhor para um treinador. Mas ele surgiu na época de atleta, em 2001, quando eu fazia dupla de ataque com o Donizete Pantera. Ele deu essa sugestão na mídia e a torcida comprou a ideia. Cantavam a música do Tigrão antes dos jogos. Na apresentação de cada jogador ao invés de Felipe era Tigrão. Foi uma época boa e uma parceira gostosa com o Donizete que me fez aprender muito. Com o sucesso da parceria surgiu o apelido que pegou na época e eu sempre fiquei feliz pelo carinho da torcida. - contou em tom de nostalgia.


Emocionado, Felipe Tigrão beija a camisa alvinegra após criar uma jogada que resultou em gol.

Dez anos após sua passagem como atleta, Felipe voltou ao Alvinegro em 2013 para assumir a categoria Sub-15 como treinador. Uma curiosidade é que o Botafogo foi quem assinou pela primeira vez as duas carteiras profissionais, a primeira como atleta e depois a segunda como técnico de futebol. Em um momento de pura emoção, Felipe Conceição falou sobre sua identificação com o clube e enalteceu a instituição demonstrando toda sua torcida.

- É um motivo de orgulho estar aqui. Acho que não preciso dizer, pela minha família botafoguense e por toda essa história de 8 anos como atleta e quase 2 como treinador, da minha identificação com clube, da minha alegria de estar trabalhando aqui, de como eu torço para o clube evoluir, de como eu torço para os meninos ajudarem, de como torço pela nova diretoria. Acho que é o momento de quem gosta do clube e de quem tem identificação, é o momento de ajudar, de todos se unirem e trabalharem cientes das dificuldades mas que coloquem um algo a mais, que é o que a gente pede dos atletas nos jogos, acho que agora é a hora de todos darem um algo a mais. Torço muito para o René, Antonio Lopes e a nova comissão, espero que eles consigam levar de volta o Botafogo à 1ª divisão, de onde nunca deveria ter saído. - comentou bastante emocionado.


Agora como técnico, Felipe Conceição comanda a equipe Juvenil do Botafogo.

Sempre muito conciso e coerente, o atual treinador do Sub-17 do Fogão hoje só pensa em ajudar. Demonstrando todo seu carinho e admiração pelo clube que o revelou tanto como atleta e como treinador, Felipe comentou sobre seus planos para o futuro, não dissocia sua carreira profissional da sua carreira dentro do Glorioso e sonha em um dia chegar a ser o técnico da equipe principal.

- Sou muito pé do chão e consciente. Procuro me manter dentro da realidade. Hoje eu sou o treinador do Sub-17 e quero fazer um grande ano com essa garotada 98. É uma boa geração, é uma das melhores a nível nacional. Meu objetivo principal é focar nesses meninos, fazer o possível para que eles desenvolvam o máximo e aproveitem suas capacidades. Espero que a gente consiga também os resultados pois é importante para a formação. Lógico que a médio a longo prazo, a gente pensa em crescer, evoluir e quem sabe um dia se tornar treinador do profissional do Botafogo, seria um sonho mas um sonho que eu coloco hoje distante porque eu preciso subir outros degraus até lá. - finalizou o comandante.

Confira os momentos marcantes de Felipe Tigrão/Conceição pelo Botafogo:

Atleta:

1997 - Campeão e artilheiro do Torneio OPG (Base)

1997 e 1998 - Bicampeão Carioca de Juniores (Base)

1998 e 1999 - Considerado a maior revelação do Rio de Janeiro

1999 - Vice-campeão da Copa do Brasil (Profissional)

2001 - Vice-campeão do Torneio Rio-São Paulo (Profissional)

Treinador:

2014 - Campeão da Zayed Cup Sub-18, em Dubai

Fabio de Paula