notícia

Botafogo 69 x 71 Franca

Alvinegro tira diferença de 13 pontos, luta até o fim, mas é superado em casa
Atualizado em 19-01-2019, 17:50

Desfalcado de Jamaal, Cauê, Murilo e Maique, que saiu no intervalo, o Botafogo fez um jogo de recuperação contra o Franca na tarde deste sábado, mas foi superado por 71 a 69, em General Severiano, pelo NBB. O ponto alto da partida foi a volta do capitão Henrique Coelho, autor de 9 pontos no último período. 

O Glorioso não sentiu os desfalques no início do jogo e, com escalação inédita, abriu 14 a 7 nos primeiros minutos do encontro. Com a partida mais equilibrada, os paulistas conseguiram fechar o quarto em 23 a 22.  Ralfi foi o nome da etapa com nove pontos e seis rebotes. Mais confiante, o Franca continuou crescendo até abrir dígito duplo a 3:00 do estouro. Arthur e Mogi acertaram arremessos de longa distância e diminuíram a desvantagem ao fim do período: 40 a 34. Examinado no vestiário, o pivô Maique precisou ser levado ao hospital por conta de uma lesão traumática na lombar e deixou a partida. 

Ainda se adaptando a jogar com menos um na rotação, o Alvinegro viveu seu pior momento na partida e se viu perdendo por 55 a 42 na reta final do terceiro quarto. Guga, Jackson e Arthur, com bola de três, recolocaram o Glorioso no jogo, as equipes voltaram a trocar  pontos e os francanos levaram a vantagem de 62 a 55 para o quarto derradeiro. Preservado para o último quarto, Henrique Coelho levantou a torcida com seis pontos seguidos e os alvinegros voltaram a brigar pela liderança. Também foi do capitão a bola de três que botou fogo no Oscar Zelaya na reta final da partida e o passe para Ralfi empatar o jogo a 14 segundos do fim. Porém, na última bola, David Jackson teve êxito e fechou o placar em 71 a 69. 

Totalmente recuperado, o camisa 0 falou sobre a partida e enalteceu o trabalho de recuperação com os profissionais do clube. 

- Minha maior alegria é poder voltar e contribui dentro de quadra. Sou muito agradecido ao Marquinhos, pela intensidade do trabalho na fisioterapia, e ao Pedro, pelo empenho na minha parte física. Senti o jogo no primeiro quarto, cansei rápido, mas vi onde eu poderia usar minha melhor arma para ajudar o time. A entrega foi máxima, o poder de superação foi incrível mais uma vez e, por detalhes, não conseguimos virar o jogo mesmo com quatro desfalques. Agora é bola pra frente porque terça-feira já tem mais e precisamos da vitória contra o Basquete Cearense. 

O Fogão volta à quadra do Oscar Zelaya nesta terça-feira, às 20h, para enfrentar o Basquete Cearense.

 

Walner Junior