notícia

A última coletiva

Ídolo, Jefferson fala aos jornalistas sobre jogo de despedida
Atualizado em 24-11-2018, 18:30



Jefferson entrou na sala de imprensa do Estádio Nilton Santos para falar sobre seu último jogo com a camisa alvinegra, o que dará fim ao seu glorioso ciclo no futebol e no Botafogo. Sereno, Jefferson falou sobre passado e futuro, agradeceu o carinho dos botafoguenses e contou sobre seus últimos momentos como jogador profissional. O camisa 1 entrará em campo como titular diante do Paraná, segunda-feira, no Estádio Nilton Santos.

- Confesso que a ficha está caindo agora. Venho me preparando a muito tempo para essa aposentadoria. Fui visto muitas vezes como um cara de gelo e concentrado, mas confesso que estou muito emocionado nesses últimos dias. Todo mundo passará por isso um dia, mas estou vendo que vou fazendo as últimas coisas pelas última vez. O último treino no campo anexo, a última coletiva... Agradeço a Deus por essa caminhada nessa carreira de sucesso. Agradeço aos times que passei, ao Cruzeiro que me tornou profissional e ao Botafogo. Sou botafoguense e só agradeço. Agradeço também a vocês da imprensa que sempre me apoiaram - disse Jefferson. 

Conhecido e reconhecido por todos como uma pessoa extremamente profissional, Jefferson falou sobre os motivos que carimbaram sua decisão e também aproveitou para dizer que será o momento de ficar ainda mais perto dos torcedores. 

- Na realidade já vinha trabalhando faz um bom tempo. Sempre doei muito pelo futebol. Estava conversando isso com minha esposa, que quem não faz isso não alcança seus objetivos. Sempre descansei, me alimentei bem. Nunca pedi para não treinar em datas comemorativas. Foi uma coisa muito intensa. Sei que poderia jogar mais uns dois ou três anos, mas agora posso aproveitar outras coisas, ficar mais perto da familia, dos amigos e dos torcedores. Tenho a minha cafeteria e vou poder ficar mais perto disso também - contou o ídolo.

CONFIRA OS PRINCIPAIS TRECHOS DA ENTREVISTA COLETIVA DO GOLEIRO JEFFERSON:

ORGULHO PARA TODA VIDA

- Tem muitas histórias boas, outras não tão boas. Vou me orgulhar de contar sobre a lealdade, a fidelidade. Mostrar realmente o valor do seu trabalho, das pessoas. Vou contar a história de 2015, quando tive propostas, mas pesou a lealdade e a gratidão. No mundo muitas coisas são descartáveis, mas vou poder mostrar o contrário. Vou poder sentar e contar sobre a importância que tem a gratidão. 

FLAVIO TENIUS E FELIPÃO

- É um treinador e pessoa muito especial. Tive a honra de subir com ele no Cruzeiro e ele pôde ver em mim qualidade. Assim como o professor Felipão. São pessoas que vão ficar marcadas na minha história. Subi para o profissional com o Flavio Tenius no Cruzeiro e vou terminar com ele aqui no Botafogo. 

O BOTAFOGO E SUA GRANDEZA

- Tenho noção da história que tenho no Botafogo, do prestígio e reconhecimento, mas também tenho noção que o Botafogo está acima de mim. Reconheço que só tenho esse carinho por causa do Botafogo. Sei meu lugar e realmente o que sou. Primeiramente a Deus, mas depois o Botafogo. Agradeço ao Zé pela oportunidade de jogar, mas os deixei à vontade, os interesses do Botafogo são maiores. 

EMOÇÃO 

- Confesso que tenho segurado bastante para não me emocionar. Claro que vai chegar uma hora que não vai ter como segurar. Estou ansioso para que chegue logo a segunda-feira. Um ciclo se encerra para começar outro.

REENCONTRO COM COMPANHEIROS DO PASSADO

- Tem possibilidade. Claro que ficou uma coisa muito em cima até por nossa situação na tabela. Vai ser uma festa fora, mas dentro de campo vamos buscar esse resultado. Mais para frente espero reunir alguns amigos para fazer um jogo aqui no Nilton Santos. O Loco Abreu, o Sandro, a galera de 2013. Em 2003 também, aquele grupo foi fundamental. 

2015 COMO PROVA DE GRATIDÃO

- Creio que sim. Já vinha fazendo uma história bonita e alí veio para carimbar essa lealdade. Nunca escondi os motivos de permanecer no Botafogo. Uns três ou quatro jogadores ficaram por esse motivo do Botafogo ter um projeto. 

FORTE PRESENÇA NO MARKETING DO CLUBE

- Penso sim. Graças a Deus eu construí uma imagem muito boa. Estarei ausente dentro de campo, mas presente fora. Quero estar ativo no marketing do Botafogo.

GATITO NO CAMINHO DA IDOLATRIA

- O Gatito está no caminho muito positivo. Está fazendo grande jogos, já salvou o Botafogo em diversas vezes e falo sem vaidade, quero que faça uma grande história no Botafogo. Respeito muito a história de cada um que passou por aqui. Quem ganha com isso é o Botafogo. 

FELIZ POR SER EXEMPLO

- Fico feliz deles verem a minha pessoa desse modo e creio que o que eu deixei no futebol foi o trabalho, entrega. Vivi o futebol com intensidade. O primeiro a chegar, o último a sair. Sempre respeitando os companheiros. O futebol é isso, tem que viver intensamente. Eles observam isso e espero que tirem de exemplo. 

ENERGIZADO

- Vai estar muito bonito. Já estou começando a sentir essa energia, ansiedade está grande. Estou preparado para essa festa maravilhosa. O torcedor tem todo direito e esse é o momento dele fazer a festa. Muitos estão mandando recado. Vamos concentrar no jogo para depois festejarmos com eles. 

O JOGO MAIS ESPECIAL

- Creio que foi contra o Flamengo em 2010. Por tudo que estava acontecendo foi uma final belíssima. Os torcedores não aguentavam mais, a pressão era grande e foi um jogo emocionante. Pude pegar o pênalti do Adriano e teve aquela cavadinha. 

POSSIBILIDADE DE BATER UM PÊNALTI

- Acho difícil. Sempre respeitei os meus companheiros de profissão. Nunca fui batedor de pênaltis e não vou fazer isso por ser meu jogo de despedida. 

GRATIDÃO

- Quero somente agradecer a todos os botafoguenses por esses dez anos no Botafogo. Vou guardá-los no coração, uma família que me abraçou de corpo e alma. Cheguei no clube com 20 anos, saí por dois e voltei para ficar. Só quero agradecer e dizer que depois quero ficar mais perto deles. 

SE FOSSE UM JORNALISTA, O QUE PERGUNTARIA AO JEFFERSON?

- Acho que não. Como sempre vocês foram felizes nas perguntas e hoje é um momento que comentarmos sobre coisas particulares. Creio que respondi tudo já.

Marcos Silva