notícia

Grupo de homens

Zé Ricardo exalta elenco, comemora vitória e já convoca torcida para jogo com o Paraná
Atualizado em 18-11-2018, 20h30

Da ameaça de rebaixamento aos 47 pontos, na 9º posição, em apenas 4 rodadas. O Botafogo reagiu bem e saiu de seu momento mais difícil no Campeonato Brasileiro. Neste domingo, venceu o Internacional por 1 a 0 no Estádio Nilton Santos, resultado bastante valorizado pelo técnico Zé Ricardo.

O comandante alvinegro valorizou a força do grupo, destacou o fim da chance de descenso, falou sobre o confronto com o Santos, o sonho de Libertadores e o desejo de ver casa cheia domingo, contra o Paraná. 

Confira os principais trechos da entrevista coletiva:

A REAÇÃO

- A gente estava com um número de vitórias baixo, entendia que precisava naquela ocasião (após derrota para o Bahia) de mais quatro, cinco vitórias. Naquele momento era uma coisa que se não trabalhasse jogo a jogo parecia dificílimo. Foi uma conjunção de fatores, esse grupo é de homens. Passei a admirá-los e entendê-los também. As grandes conquistas são feitas em grupo. Estou muito feliz, espero manter esse astral e humildade. Queremos coisas grandes. Se tivermos possibilidade, vamos lutar.

CONVOCAÇÃO

- A torcida entendeu nossa necessidade, mostrou que é fundamental para a gente. Tomara que daqui a uma semana, nosso último jogo aqui (contra o Paraná), possamos fazer lotação máxima, 40 mil, faço um apelo. Não deixe um espaço vazio. Além de se despedir de 2018, vai ser fundamental. Pode ser uma vitória que nos empurre para a pré-Libertadores. Não tem problema sonhar.

O JOGO

- Tivemos uma sequência boa, acho que fizemos um jogo bom, não sei dizer se foi melhor que contra Flamengo, duas equipes fortes. No primeiro tempo oferecemos espaço, Inter teve domínio até o tempo técnico, conseguimos nosso gol. Segundo tempo nervoso das duas equipes. Tivemos duas chances e não fizemos, por isso teve tensão até o final. Conseguimos nosso primeiro objetivo e vamos pensar jogo para quem sabe uma Sul-Americana.

CHANCES PERDIDAS

- É um fato que a gente precisa trabalhar, conversar, não credito à falta de treino, mas questão de momento. No lance do Leo percebi que ele ia bater, mas o Lomba foi esperto, não definiu o canto, quando ele tentou tirar perdeu o timing.

CONFIANÇA

- É importante para tudo na vida. Certamente clube grande como Botafogo passando aquele momento difícil perto do Z-4 incomoda todo mundo. Certamente as coisas não ocorrem como gostaria, mas quem trabalha sério sempre acaba colhendo algo de bom.

PROJEÇÃO

- Esse grupo merecia esse respiro. Vamos trabalhar para quarta-feira e tentar trazer 3 pontos de Santos. Confronto direto, mas não impossível, esse grupo mostrou que é capaz de coisas grandes.

LIBERTADORES

- Difícil uma vaga para a Pré-Libertadores. São muitos confrontos diretos, temos Santos e Atlético-MG fora, mas os adversários também têm jogos difíceis. Temos que pensar no Santos. Se vencermos, aí sim, e se resultados ajudarem, poderemos pensar.

ESTILO DE JOGO

- Tenho discurso desde que cheguei que precisamos jogar bola. Se estivermos jogando bem, estamos mais próximos do resultado. Muitas das vezes não conseguimos fazer isso porque adversário não deixa ou jogo fica picotado. Em nenhum momento fizemos substituições para retranca.

EVOLUÇÃO

- Atribuo ao crescimento individual dos atletas, com eles crescendo a coletividade tende a crescer. Tentamos estar distribuídos e organizados em campo. Tecnicamente estando melhor, a confiança aumenta. Quatro jogos, sofremos só um gol. Criamos oportunidades nos quatro.

AUSÊNCIA DE JEAN

- Foi mérito dos atletas suprir. Quando perdemos o Jean, jogador do nosso elenco com maior poder de destruição, falei que cada um teria que dar um pouquinho a mais. Você vê o Lindoso, Matheus Fernandes, Erik, Leo Valencia, Brenner... AJudou encostando no Dourado. Doação.

TROCA DE LADOS DOS PONTAS

- Mais uma vez trabalho em equipe. Comunicando com nossos auxiliares, entendemos que nosso principal velocista que é o Erik estava sendo muito sobrecarregado pelas subida constantes do Iago. O Zeca, que estava há dois meses sem jogar, estava de forma mais conservadora. Resolvemos inverter para não perder o Erik, que tem profundidade de ir lá atrás. O Luiz Fernando faz a função de ir à frente e atrás com tranquilidade, só não fez melhor porque estava gripado.

FIM DE ANO

- Penso exclusivamente em terminar bem o Brasileiro. Se me perguntar a avaliação do nosso trabalho, são números que ainda não me deixam satisfeitos. Essas quatro vitórias são importantes, mas acredito que a gente poderia estar um pouco melhor.

Botafogo de Futebol e Regatas