notícia

Só o trabalho resolve

Pimpão diz que é a hora de agir mais em momento difícil e crê na força do grupo
Atualizado em 22-10-2018, 19:45

Restam nove jogos para o fim do Campeonato Brasileiro e o sinal de alerta está ligado pela pronta recuperação na tabela. o Glorioso ocupa a 13ª colocação com 35 pontos somados e terá pela frente o Atlético Paranaense, sábado, às 21h, na Arena da Baixada. Em entrevista coletiva o atacante Rodrigo Pimpão falou sobre o momento que o Alvinegro vive, a situação financeira do clube, o empenho do grupo para reverter a situação e a necessidade do apoio da torcida. 

- Vamos lutar, batalhar e temos a semana inteira para buscarmos a melhor equipe para surpreendê-los e buscarmos esses pontos fora. Os tabus estão para serem quebrados. Prefiro a grama natural, já joguei lá duas vezes, é diferente, mas é futebol. A bola é a mesma e temos que ser competitivos para esquecermos do gramado e buscarmos dentro de campo - disse Pimpão, que também falou sobre a situação vivida pela equipe na temporada. 

- Sabemos como começamos o ano, tivemos quatro troca de treinadores e querendo ou não cada um tem uma ideia, um jeito de jogar. Acaba o jogador confundindo algumas coisas, mas não temos tempo para lamentar. O futebol brasileiro é assim e o campeonato brasileiro é muito competitivo, considerado um dos mais difíceis do mundo. Vejo que temos um grupo forte, determinado e nos treinamentos vemos os jogadores se dedicando. Não deixamos um jogador tirar o foco, procuramos um levantar o outro. Quando entro em campo busco dar o meu melhor e quando vejo alguém desmotivado tento animar. Vejo que temos um grupo forte. Não sabemos o que aconteceu, mas que estamos prontos para lutar e buscar da melhor maneira possível - falou Pimpão, confiante na crescente de produção na reta final.

Confira os demais trechos da entrevista coletiva de Rodrigo Pimpão:

OS PONTOS PARA O REERGUIMENTO

- Confiança, determinação. Não digo que falta trabalho, todos trabalham muito. É uma equipe que luta e trabalha, talvez um pouquinho mais de confiança e concentração, detalhes que definem uma partida. Contra o Bahia eu acabei perdendo um gol, o gol deles foi impedido e o juiz deu. Detalhes que mudam uma partida. Além disso o apoio da nossa torcida, que vem aqui e apoia. Lógico que vão cobrar se o time não estiver bem. Contamos com eles, já mostraram o quanto são importantes para nós.

GRUPO TRABALHADOR 

- Aqui não tem nenhum vagabundo, mau-caráter, mas sim trabalhadores que buscam dar o melhor diariamente. Sabemos da situação que o Botafogo se encontra e o recado que posso dar é pedir que continuem vindo para nos apoiar. Contamos com eles como sempre fizeram para que os resultados venham. Se depender de trabalho e dedicação o resultado vai vir. 

CIENTES DO DESAFIO

- Não temos tempo para lamentar e sim agir. Chegou o momento de agirmos e deixarmos para trás o que passou. Temos nove jogos e sabemos das nossas obrigações e deveres. Falar menos e fazer mais para as coisas acontecerem. Não tem explicação para o que está acontecendo e esperamos reverter isso. 

SALÁRIOS ATRASADOS

- Eu te faço uma pergunta. Se estivesse numa situação de dois meses, o que você faria? Estaria feliz? É uma situação delicada, as minhas contas não esperam mesmo sendo um pouco mais experiente. Estou aqui quatro anos e é a primeira vez que isso acontece. Não tenho o que reclamar do Botafogo. Esperamos que as coisas se resolvam nessa semana e internamente resolvemos os problemas. Só temos que agradecer ao clube, aos nossos torcedores e patrocinadores. Os jogadores vem e passam, mas as contas precisam estar em dia.

Marcos Silva