notícia

Cobrança pessoal

Após gol na Sul-Americana, volante reforça que pode render ainda mais no Glorioso
Atualizado em 17-08-2018, 18:45

O Botafogo assegurou a vaga nas oitavas de final da Copa Sul-Americana após vencer o Nacional-PAR por 2 a 0 diante de um Estádio Nilton Santos lotado. Os gols foram marcados por Léo Valência e Rodrigo Lindoso, que abriu o placar de cabeça. Sincero, o volante e um dos líderes do elenco falou sobre a partida e, apesar do tento, se cobrou por um rendimento ainda melhor, principalmente em seu melhor fundamento, o passe. 

- Conselho eu até dou, mas ontem não foi um dia para isso. Errei muito ontem também, sou crítico e me cobro bastante. Mas para o próximo jogo vamos melhorar, sou o líder do grupo nesse quesito. Foi um jogo de muita marcação e a equipe deles foi muito forte enquanto o jogo estava 0 a 0. Tentamos jogar por dentro e também com cuidado nos contra-ataques - falou o crítico Lindoso. 

Confira os demais trechos da entrevista coletiva de Rodrigo Lindoso:

TRANSIÇÃO DE MEIA PARA VOLANTE

- No futebol muitos meias viraram volantes, até por conta da idade. Eu comecei cedo essa mudança. É uma posição insegura, é preciso ditar ritmo e fazer com que a bola chegue nos atacantes. Talvez a virtude maior seja essa, quanto maior a dificuldade, maior o ganho. 

DIA DE ARTILHEIRO AO LADO DE LÉO VALÊNCIA

- Foi importante para ele fazer o gol assim como foi para mim. Não sou do meio para frente, mas dá uma moral a mais para o jogo seguinte. Espero que com o Léo seja dessa forma também. Ontem foi um jogo muito coletivo, fica difícil destacar alguém. O jogo de todo mundo foi parecido, até pela vontade de todos. 

BOAS LEMBRANÇAS CONTRA O GALO NO NILTON SANTOS

- Era um jogo de mata-mata, é diferente. Uma quarta de final da Copa do Brasil e precisávamos da vitória. Essa sintonia tem que ser também no Brasileirão. Acho legal. Fica difícil pedir todo jogo, mas que na maioria dos jogos a torcida fizesse uma bela festa para que possamos seguir juntos. Estamos vindo de dois empates no Brasileirão, o que nos deixou com um gosto amargo. Esperamos minimizar esses erros para sairmos com os três pontos. 

O TRABALHO DE ZÉ RICARDO

- Apesar do pouco tempo já fez muita coisa e sem mudar a equipe. Trabalhou muito o lado pessoal de cada um, que não era para chegar e fazer várias modificações. É um profissional capacitado para fazer essas coisas e nesses dois últimos jogos nós criamos bem mais, tanto fora de casa contra o Paraná, quanto em casa. No jogo de ontem criamos inúmeras chances e isso é passo a passo. Não quer atropelar nada, mas a equipe está evoluindo. Agora não teremos mais tempo para respirar e as coisas serão ajustadas na base do vídeo e da conversa.

COBRANÇA DE TODOS 

- Particularmente não, mas me incluo no contexto de toda a equipe. Da mesma forma que cobra um meia ou um atacante, ele me cobra também. A disposição, a organização... Demonstramos no jogo de ontem. Ele já conhece os jogadores e é bem participativo nos treinamentos. Pede bastante atenção nossa, o lado mental.
 
Marcos Silva