notícia

Superação

Valentim elogia Jefferson e empenho do time para vencer clássico
Atualizado em 15-05-2018, 11h40

Em um clássico duro e difícil, o mais importante veio: a vitória. O Botafogo venceu o Fluminense por 2 a 1, nesta segunda-feira, no Estádio Nilton Santos, pelo Campeonato Brasileiro, tendo o goleiro Jefferson como um dos principais destaques.

O técnico Alberto Valentim reconheceu que o time teve dificuldades, mas enalteceu o empenho e a superação para alcançar o resultado. Confira os principais trechos da entrevista coletiva:

PRIMEIRO TEMPO

- Vocês vão lembrar, falei para os jogadores no intervalo, que nosso time joga como treina. Hoje não fizemos isso no primeiro tempo, por isso não fomos bem. Além de o Fluminense ser uma grande equipe. Pela primeira vez vi a gente fazendo coisas que a gente não treina. Posicionamento, organização.

SEGUNDO TEMPO

- No segundo tempo melhoramos e conseguimos vencer um jogo mesmo não sendo brilhantes, mas contra um adversário muito forte, muito forte na bola aérea. Mesmo com muitas dificuldades conseguimos vencer. Era muito importante vencer esse clássico.

JEFFERSON

- Goleiro de seleção brasileira. Já conhecia de longe, e agora no dia a dia, é excepcional.

PONTUAÇÃO

- Nós não fizemos uma meta de pontos. O que a gente está falando e é verdade é de ir jogo a jogo. Agora é pensar no América-MG. Faltam sete, a classificação é boa, estamos a dois pontos do líder. Acredito que está bom o começo, podemos melhorar ainda.

- A classificação é boa, mas o que eu peço pra eles é porque temos pontos a evoluir. Individual, melhorar o coletivo. Enfrentamos equipes muito fortes aqui e conseguimos fazer 7 pontos. Mas precisamos continuar nossa caminhada.

RESULTADO

- Acho que o Fluminense jogou melhor, concordo com ele (Abel Braga). É um termo que a gente usa quando não consegue vencer. Já vim aqui algumas vezes e falei isso. Fluminense é uma equipe organizada, difícil jogar contra. Acredito até que foi um pouquinho o que aconteceu na vitória deles (3 a 0 na final da Taça Rio), um resultado mentiroso.

PARTE TÁTICA

- A gente varia um pouquinho esse desenho com o Renato fazendo ora esse volante, ora mais central, em um 4-2-3-1. Nossa fase defensiva para o Kieza acompanhar, fazer uma linha, ora 4-1-4-1, ora 4-5-1, bem fechadinho.

- Com a posse deles vai virando um 4-4-2, com um jogador saindo para atacar a bola. A gente faz bem isso. Aconteceu que o Kieza ficou o tempo todo fazendo o segundo atacante, e o Renatinho fazendo a beirada. Não treinamos isso. O Fluminense conseguiu jogar.

- E a gente para contra-atacar estava jogando com o Renato muito atrás. E estávamos jogando bolas de primeira, o que eu não gosto. Não acho rápido, acho pressa. O Gustavo entrou bem, corrigimos um pouquinho, deixando Lindoso um pouco mais à frente.

TRÊS VOLANTES

- A gente não melhorou só por isso. O Gustavo (Bochecha) entrou muito bem, rodamos a bola, sempre passando por ele. Mas não só por causa disso, também pelo nosso posicionamento, construção do nosso jogo.

AGUIRRE ESTREANTE

- Gostei, no final entrou querendo jogo, na primeira jogada entrou fazendo tabela e quase... Ele vem treinado muito forte. A gente tem um controle diário da parte da fisiologia, quem atinge mais velocidade e distância, e ele está entre os primeiros.

- Precisa muito de ritmo de jogo, não adianta colocar jogador para correr 30km todo dia que não vai conseguir jogar. Não sei se repararam, mas coloquei ele de beirada no final porque o Kieza estava mais desgastado, precisava de alguém com mais fôlego na ponta.

TRIO NO ATAQUE

- O Brenner talvez não tenha tanta característica de jogar de beirada. O Aguirre ainda está atrás fisicamente dos demais, mas minha ideia é que ele faça as três. O Kieza já tinha feito isso, treinamos isso, se sente bem, tem força, resistência para fazer essa função. A ideia é o Aguirre ganhar mais um pouquinho de condicionamento físico e nos ajudar nas três posições da frente.

Botafogo de Futebol e Regatas