notícia

Jogo da vida

Jair une forças e eleva moral do time para jogo decisivo contra o Cruzeiro
Atualizado em 01-12-2017, 16:51

O Botafogo precisa vencer o Cruzeiro para ir à Copa Libertadores da América em 2018. O Glorioso até pode alcançar a meta de outras maneiras, mas ela sequer passam pela cabeça de Jair Ventura e seus comandados. O compromisso pela vitória amplia com a possibilidade de entrar para a história do clube e encerrar o ano de forma honrosa com o objetivo alcançado diante da torcida no Estádio Nilton Santos
 
- Aumenta a responsabilidade. Sabemos que defendemos uma grande equipe e esse jogo passa a ser mais decisivo do que nunca. O empate não serve, a derrota muito menos e vamos muito fortes para conseguirmos o nosso objetivo - disse o treinador.
 
Confira os principais trechos da entrevista coletiva de Jair Ventura no Estádio Nilton Santos:
 
ETERNO APRENDIZ
 
- Estou em eterna evolução. Aprendi muito com o Carlos Roberto. Fui preparador físico e auxiliar dele no América e depois no Madureira. Um cara sensacional, com treinos ótimos. Uma pena que não esteja mais trabalhando com futebol. Me vejo em eterna evolução e espero estar assim com sessenta anos, com ou sem cabelo. Acredito sempre na evolução.
 
BRENNER VAI PARA O JOGO?
 
- O Brenner treinou ontem e hoje, ainda sente um pouco de incômodo, mas agora é a hora da sacrifício. Hora de juntarmos as nossas forças para que possamos dar o nosso melhor para a nossa torcida. 
 
SILÊNCIO DOS JOGADORES NA SEMANA DECISIVA
 
- Sou um cara que respeita muito as decisões de cada um e respeito a decisão deles.
 
AUSÊNCIAS DE JOÃO PAULO E BRUNO SILVA 
 
- Duas perdas importantíssimas para a nossa equipe, mas tenho total confiança em nossos atletas. Tento deixar o grupo o máximo possível homogêneo para que essa perca técnica não seja muito grande. Não vivemos o nosso melhor momento no Campeonato Brasileiro, mas será decidido no último jogo como foi no ano passado. Respeitamos o Cruzeiro, a equipe campeã da Copa do Brasil e que não largou o campeonato. Conheço o Mano, um cara muito competitivo e vamos dar o nosso máximo para buscar o resultado dentro da nossa casa. 
 
TORCIDA FUNDAMENTAL
 
- A torcida foi importantíssima, sempre foi o nosso 12º jogador. Prometo que deixaremos o nosso máximo em campo, nem que eu tenha que levar os atletas nos braços ao fim do jogo. Temos que deixar tudo pelo nosso objetivo. 
 
PELA FELICIDADE GERAL
 
- Senti que eles (torcida) ficaram tristes quando ficamos também, principalmente com as duas derrotas dentro de casa. Eles tem toda razão, não dá para ficar feliz. Com todo respeito ao A.Goianiense, mas era o último colocado. Sabemos o custo e a violência no Rio de Janeiro para vir assistir um jogo e o seu time perder. Entendemos esse lado também. É difícil, mas temos que deixar de lado esse momento difícil que estamos passando para lembrar o que fizemos durante todo o ano. O torcedor não quer saber do passado, mas sim que possamos classificar para a Libertadores.
 
GRUPO BOM DE TRABALHO
 
- Me reuni com os atletas ontem e os parabenizei pelo ano que fizeram. Desse grupo sei bastante e nunca faltou entrega, determinação e vontade. Ver o Grêmio ganhar uma final daquela forma, com três gols, e por 1 a 0 contra nós com um gol de bola parada. Será que tudo foi tão ruim? Também não podemos esconder que uma não classificação pode manchar um pouco do nosso trabalho. Alguns estão muito chateados e outros muito felizes. Quero que no fim o sentimento geral seja de alegria.
 
ROGER 
 
- Problema algum com a situação do Inter. O Roger ainda tem contrato com o Botafogo e poderia utilizá-lo. Não foi possível recuperá-lo a tempo por conta da cirurgia. Sou grato ao Roger, nos ajudou bastante. Desejo toda felicidade ao Roger e sempre o levarei no meu coração. 
 
Marcos Silva