notícia

Vitória merecida

Jair Ventura comemora volta do Botafogo do ano todo e valoriza campanha
Atualizado em 09-11-2017, 10h00

Após perder o clássico com o Fluminense, o técnico Jair Ventura afirmou que foi a pior atuação do time no ano. Uma prova que o treinador estava certo é que no jogo seguinte veio a reabilitação: vitória por 2 a 1 sobre o Sport, na Ilha do Retiro, que valeu a ida para a quinta posição no Campeonato Brasileiro.

Jair Ventura valorizou o resultado, a atuação e a campanha do Botafogo. Confira os principais pontos da entrevista coletiva:

ANÁLISE DO JOGO

- Achei mais pressão do Sport no segundo tempo. No primeiro tempo tivemos duas chances claras na transição. Tivemos duas substituições por ordem médica (Rodrigo Lindoso e João Paulo) e atrapalhou um pouco. Mesmo assim o que vale é a luta, a entrega coletiva. O Botafogo voltou a ser o Botafogo do ano todo. Somos os líderes do returno.

EVOLUÇÃO

- Um dos pontos a melhorar, é uma situação que a gente trabalha internamente, eu converso com os atletas... Sempre para corrigir. E é mais fácil corrigir quando você vence. Quando perde parece que é por conta da derrota, mas a gente se corrige a todo momento. O ser humano vive em eterna evolução.

FORMA DE JOGAR

- Um dos pontos fortes do Botafogo é o número de desarmes.Temos duas maneiras diferentes de jogar: o jogo apoiado quanto temos a posse da bola e o jogo de transição, de menos toques possíveis para sair em velocidade. A gente soube fazer isso. Acho que poderia ter sido um pouquinho menos sofrido pela quantidade de chances que criamos e não fizemos. Várias cara a cara com o gol, mas está bom. Tem que ser comemorado.

VAGA NA LIBERTADORES

- Quando eu perdi o jogo (contra o Fluminense) falei que não estava nada decidido, e quando vence também não. Faltam muitos jogos ainda, vai ser decidido sempre nos detalhes. Não que seja o melhor campeonato, mas o mais equilibrado, onde todo mundo pode ganhar de todo mundo. Vai ser decidido até a última rodada, só mais um passo, mais nada decidido.

TORCIDA

- A torcida é o grande patrimônio de uma equipe, eu não tenho que pedir nada para eles. Têm todo o direito de me vaiarem, e se quiserem aplaudir quando a gente ganhar eles podem. Não tenho que pedir nada, sigo fazendo o meu trabalho. Realmente, nem sempre vou agradar a todos, e eu tenho minhas convicções. E com elas eu vou morrer. Vou acertar e errar com as minhas convicções.

MARCOS VINÍCIUS

- Jogador que eu quis, foi do Náutico para o Cruzeiro, eu mesmo liguei para ele, conversamos. Sei do potencial dele. Peço bastante para o meu camisa 10 pisar na área, ser o elemento surpresa. A gente faz muito isso com o Bruno, com os volantes e os médios também. E ele vem fazendo gols, é importante. Conseguir dar sequência para ele, aguentar mais os jogos, os 90 minutos na mesma intensidade, que ele vai nos ajudar ainda mais.

PRESSÃO DO SPORT

- É sempre difícil jogar na casa do adversário lotada. Nós fizemos bastantes jogos assim na Libertadores esse ano. A torcida empurra, eles fizeram uma linda festa. Mesmo com 2 a 0 eles ficaram incentivando, incentivando... Tenho certeza que se a torcida continuar indo lado a lado com o time, eles vão sair dessa situação delicada.

Assessoria de Imprensa