notícia

Noite para esquecer

Jair admite pior atuação do time no ano e projeta luta por reação
Atualizado em 04-11-2017, 23h00

Apesar de ter saído na frente, o Botafogo levou a virada e perdeu por 2 a 1 para o Fluminense, neste sábado, no Estádio Nilton Santos. O técnico Jair Ventura reconheceu que o time esteve abaixo de sua média e projetou luta por reação no Campeonato Brasileiro, lembrando que o Glorioso vai brigar até o fim por vaga na Libertadores.

Confira os principais pontos da entrevista do treinador:

ERROS DO BOTAFOGO OU MÉRITO DO FLUMINENSE?

- São as duas situações. Seria muito fácil falar que o Botafogo fez seu pior jogo do ano, e fez, em 67 jogos. Mas tiraria o mérito do Fluminense, eu jamais faria isso. Eles mereceram a vitória. Não tem muito o que explicar, hoje foi uma noite para ser esquecida.

O QUE NÃO FUNCIONOU?

- Nada deu certo. Começamos muito bem os primeiros minutos, o resultado positivo nos prejudicou, não encontramos nosso melhor futebol. Quando ganha, analiso performance. Hoje também, resultado justo, nosso pior jogo no ano e Fluminense mereceu vencer.

LUTA ATÉ O FIM

- Juntamos jogos que perdemos, principalmente de virada, já quase passaríamos o Corinthians. Futebol é assim. Corrigir o que erramos, hoje muita coisa. Ano passado nos classificamos na última rodada, esse ano vai ser a mesma, tudo vai ser decidido no fim. Enquanto tiver oportunidade o Botafogo vai lutar e jogar seu máximo.

ORIENTAÇÕES

- Gesticulei o jogo quase todo, time muito aquém. Mas não sou de botar erros ou culpar jogadores, responsabilidade é sempre minha. Conversamos internamente.

JOGO COM O SPORT

- Falo sempre do próximo jogo, Sport é difícil, equipe em momento delicado. Muitos acharam que poderíamos ter vantagem física contra o Fluminense, não aconteceu, eu alertei antes. Todas as equipes têm objetivos na competição, cada jogo uma decisão. É apagar essa noite, deixamos a desejar, e voltar a ser o Botafogo dos outros 66 jogos. Não posso reclamar dos meus atletas, avaliar só por um jogo, não por 66. A matemática ainda é favorável.

CRÍTICAS A RODRIGO PIMPÃO

- Pimpão quando não faz gol é criticado mas hoje deu a 12ª assistência, corre, luta, se entrega pela time. Nosso elenco é enxuto, tenho confiança total nos meus atletas.

VAIAS A JAIR

- Virei treinador hoje, fui batizado. Em um ano e três meses, primeira vez ser chamado de burro é até bom. Mas é normal. Sabia que ia passar por esses momentos. Por isso escolhi ser treinador, gosto de assumir responsabilidade, bater no peito e viver esses momentos. Fiz péssimo jogo com o time, torcedor tem toda razão de xingar bastante.

SUBSTITUIÇÕES

- Quando tiro o Marcos e boto o Gilson, faço mesmo jogo que contra o Atlético-MG, Pimpão no meio, ganho na transição e no lado. Tinha que fazer a mudança, independe se está ganhando ou perdendo. Precisava de um jogador tático, que tem gols e assistências, Leo não tem isso ainda não. Vai ter que melhorar. Torcida reclamar é normal. Mas tenho que fazer minhas convicções, não a dos outros. O que acho não está tão mal até agora. Torcida é o grande patrimônio do clube, mas tenho que fazer o que penso do futebol. Nunca querendo prejudicar minha equipe, porque preciso das vitórias para continuar como treinador. Não sou teimoso, mas tenho minhas convicções. Farei sempre em prol do grupo.

- Vinicius dá profundidade, se boto um meia, trago o Fluminense mais para cima. Brenner tem dificuldade em manter a parte física os 90 minutos. O Fluminense estava trabalhando a bola praticamente no nosso campo, quis espaçar o time, empurrar a zaga adversária.

Danilo Santos