notícia

Estava com saudade

Montillo comemora retorno aos gramados e exalta trajetória da equipe na temporada
Atualizado em 08-06-2017, 15:17

O meia argentino trabalhou duro, se fortaleceu e voltou aos gramados com a camisa alvinegra. Montillo retornou ao time de Jair Ventura na partida contra o Santos, no Pacaembu, e encerrou um período de saudade da bola. Feliz por estar à disposição do grupo, Montillo projeta uma nova época com a camisa alvinegra. O jogador também exaltou o trabalho feito pelo Glorioso durante a temporada. 

- Além da ansiedade eu nunca tinha passado por uma situação como essa. Há sempre uma primeira vez. Trabalhei com o departamento médico para tentar voltar bem. O primeiro jogo sempre é o mais difícil, na cabeça do jogador passa muita coisa. O dia de ontem pareceu uma estreia para mim, com aquele medo de dar um pique. Fui perdendo isso durante o jogo e infelizmente perdemos o jogo no final. Pessoalmente fico feliz - disse o meia. 

Montillo não escondeu a felicidade pelo retorno e também creditou sua evolução ao trabalho realizado pelo departamento médico do clube.

- Uma vitória não só do Montillo, mas para o departamento médico que cuidou de mim esse tempo todo. Sou um pouco chato fora de campo, querendo voltar. Fizemos trabalhos para ganhar essa força que tinha perdido. Agora vai dar tudo certo. É muito difícil voltar após uma lesão muscular, fica um pouco com aquilo na cabeça. Estou feliz, mas triste com o resultado. O time merecia ganhar, mas no futebol é assim, um dia você ganha e outro perde. É manter o foco no trabalho.

O meia quer deixar o que aconteceu no passado. Focado no rendimento coletivo, Montillo prefere olhar para frente e apontou um diferencial que faz do Botafogo uma equipe forte na temporada.

- O Botafogo têm uma coisa muito positiva que é um sistema de jogo que não muda independentemente de quem esteja jogando. O Jair trabalha sempre com o mesmo esquema. Ontem estávamos com muitos desfalques e mesmo assim o time foi muito bem. Isso é algo positivo e que gera resultados. Isso que nos colocou nas oitavas da Libertadores e nas quartas da Copa do Brasil. Temos que continuar nesse caminho - frisou. 

Confira os demais trechos da entrevista coletiva de Montillo:

READAPTAÇÃO AO FUTEBOL BRASILEIRO

- Tomara que tenha ficado para trás isso aí. Não é que trabalha-se menos na China, mas são menos jogos que aqui. Em outubro o time que eu jogava estava de férias e esse tempo sem ritmo de jogo atrapalha. Trabalhei a parte física nas férias, mas talvez não tenha sido exatamente o que precisava. Mais força ao invés da parte cardíaca. Mas agora é deixar para trás o que passou e olhar para frente. 

PRONTO PARA OS 90 MINUTOS

- Quero jogar, né. Estando dentro de campo o tempo de jogo vai dizer se posso jogar ou não. O ritmo de jogo é mais rápido de pegar, trabalhei bastante a parte de força fora de campo. Acho que esse jogo contra o Santos serviu para me dar confiança e dizer que essa fase ruim passou. Não podemos abaixar a cabeça com a derrota, até porque vamos enfrentar uma equipe muito forte no domingo e que está fazendo um bom trabalho. 

DESABAFO NAS REDES SOCIAIS

- Foi uma situação ruim. Não sou de mexer muito nas redes sociais, tenho mais para evitar os "fakes". Não fico 24 horas ligado nisso. Aceito críticas, sou uma pessoa pública, mas sim quando é esportiva. Aceito numa boa e sei que não posso agrar todo mundo, mas fiquei chateado com algumas pessoas que mandaram mensagens dizendo que estava roubando e isso é uma coisa muito forte. Nunca roubei na minha carreira. Não falo mal de ninguém e tento respeitar todo mundo dentro e fora dentro de campo. Trabalhei para caramba nesse tempo que fiquei de fora e estava com a cabeça quente por não poder ajudar o time. Falei com o Presidente e ele não aceitou de jeito nenhum o que propus. Tenho quinze anos de profissional e nunca tinha passado por uma coisa dessas. Mas tudo tem uma primeira vez. Não achei legal, ninguém está roubando aqui e todos são pais de família. Não foi todo mundo(torcida), mas às vezes alguém precisa de um corte para saber que não é bem assim.

CONFRONTO ÀS 11H CONTRA O CORITIBA

- É um horário diferente. Não estamos acostumados, mas o Coritiba também não está. Se tiver que ser ruim, será para os dois. Não gosto de dar desculpas e sempre foi assim na minha carreira. Ouvi falar que no jogo contra o Flamengo estava muito quente, o que atrapalhou no andamento do jodo. Mas a CBF que marca os horários e temos que jogar. 

- Talvez pode ser uma surpresa, ninguém colocava o Coritiba ou Chapecoense na parte de cima. Não por falta de merecimento, mas por não estarem entre os favoritos. O campeonato também está começando agora e temos que abrir os olhos para não deixarmos escapar mais três pontos. Time grande sempre tem que somar. Que possamos chegar inteiros no domingo. Tomara que todos estejam prontos o mais rápido possível.

Marcos Silva