notícia

Bom apetite

Nutricionista Rodrigo Vilhena ressalta importância da alimentação na pré-temporada
Atualizado em 20-01-2017, 8:30

Todo esporte de alta intensidade requer uma atenção especial quando o assunto é nutrição. No futebol, em meio aos desgastes dos treinos e jogos, uma alimentação balanceada faz toda a diferença na preparação dos jogadores, auxiliando na recuperação muscular e, consequentemente, dando suporte para um desempenho positivo dentro das quatro linhas. E o Departamento de Futebol do Botafogo, ciente dessa importância, preza pelos devidos cuidados com o elenco alvinegro.

Rodrigo Vilhena, nutricionista do clube, detalhou como tem funcionado este método na pré-temporada e explicou a importância de realizar as refeições de maneira correta. Além disso, enfatizou que o resultado do seu trabalho começa na conscientização do elenco. De acordo com o profissional, todos precisam entender que são atletas e que o estado físico exige mais do que de pessoas que levam uma vida comum.

– Passo a eles diariamente que são atletas de futebol e não jogadores de futebol. Eles trabalham com o corpo, dependem dele. Não basta comer, tem que aprender a se alimentar, são duas coisas completamente diferentes. Durante a pré-temporada estamos fazendo cinco refeições diárias, que são divididas em café da manhã, almoço, lanche, jantar e ceia. O atleta precisa se alimentar de 3 em 3 horas, pois tem um gasto calórico muito elevado. Esse gasto calórico variar entre 3.200 e 5.000 kcal por dia dependendo do grau de intensidade do treino. Um homem pesando 70kgs tem um gasto calórico entre 2.000 e 2.500 kcal. Então é meu dever deixar esses atletas bem nutridos - analisou.

A nutrição age em conjunto com a comissão técnica e preparação física. Os cardápios destinados ao time são baseados no quadro de treinos do dia, mas o plano alimentar é feito de forma individualizada e de acordo com o objetivo traçado para cada atleta, variando de jogador para jogador, entrando com o sustento adequado em cima de um determinado desgaste.

- É preciso ter um equilíbrio entre proteína, carboidrato, lipídeos (gorduras), vitaminas, minerais, fibras alimentares e água. O conjunto harmonioso de todos esses micro e macro nutrientes é que fazem a “dieta” ideal do atleta. Mas sempre respeitando a individualidade - explicou.

Rodrigo ainda chamou a atenção para a importância da suplementação na vida de um atleta de futebol, uma vez que, devido à exaustão física, nem sempre apenas os alimentos são suficientes para repor essas energias consumidas durante uma atividade.

- Muitas vezes é necessário a utilização de suplementos para auxiliar na reposição desse gasto. A suplementação também é baseada na intensidade e desgaste do treino, no objetivo que traçamos para o atleta e também na posição que ele atua em campo - encerrou.

Rodrigo Vilhena chegou ao Botafogo em 2003 para atuar na categoria de base do clube. Em 2012, foi integrado ao elenco principal para substituir sua mãe, Elizabeth Vilhena, antiga nutricionista do Alvinegro.

Fernando Morani