notícia

Mentalidade vencedora

Acostumado com títulos, Marcelo espera dar sequência às conquistas no profissional
Atualizado em 18-01-2017, 20:30

Um dos pontos positivos do Botafogo em 2016 foi a categoria de base. Campeão carioca e brasileiro, e vice-campeão da Copa Ipiranga, o sub-20 alvinegro revelou bons jogadores e deixou um legado interessante para o time principal, tanto que sete atletas foram integrados aos profissionais para 2017. Um deles é o zagueiro Marcelo, que era capitão nos juniores e chega com boas referências e muita vontade de trabalhar, consciente da responsabilidade que o futebol exige.

Acostumado com conquistas nas divisões de base, o defensor enfatizou a mentalidade vencedora que os jovens do Glorioso têm. De acordo com Marcelo, a experiência dos mais velhos, junto com esse pensamento da garotada pode render conquistas ao clube. Adaptado a levantar taças, não quer perder esse costume e espera dar sequência aos títulos.

- Ano passado tive um ano vitorioso. Conquistamos um título histórico, que foi o Campeonato Brasileiro. Então minha expectativa é a melhor possível. Eu e os demais jogadores que subiram para o time principal colecionamos vitórias na base. Então não podemos perder esse costume. Temos sempre que buscar mais, agora no profissional - disse.

Empolgado com a oportunidade e disposto a extrair o máximo dos treinos na equipe de cima, o zagueiro contou que vive a expectativa de receber uma chance entre os titulares, uma vez que possivelmente o Glorioso utilize algum time alternativo neste começo de ano. Humilde, porém sonhador, já se imagina entrando em campo em um jogo de Libertadores.

- Estou muito motivado para a minha primeira pré-temporada como profissional. Estou trabalhando forte em busca de uma oportunidade na equipe. Sei que no futebol as coisas acontecem muito rápido. Então preciso me preparar bem, seja para o Carioca ou para a Libertadores. Na hora de dormir, fico imaginado eu disputando um jogo na Libertadores. Vou ficar muito feliz, acho que minha mãe vai chorar de alegria (risos) - brincou.

Por fim, Marcelo elogiou os demais zagueiros do Botafogo. Como todo jovem tem uma referência dentro de campo, destacou o papel de liderança e a importância do argentino Joel Carli, quem o ajudou muito nesta transição para a equipe principal, com conselhos e instruções nas quatro linhas.

- Quando eu subi procurei conversar muito com o Carli. Ele me ajuda muito. Me alerta sobre o melhor posicionamento. Ele sempre diz que zagueiro tem que ser sério, não pode ficar de risadinha com os atacante, se não eles deitam na gente (risos) - encerrou.

Com 21 anos, Marcelo atuou no time principal apenas uma vez, quando entrou no decorrer do clássico contra o Fluminense, válido pelo segundo turno do Campeonato Brasil de 2016.

Fernando Morani