notícia

Pra frente que se olha

Roger Carvalho lamenta resultado em casa, mas volta o foco para o Náutico
Atualizado em 21-10-2015, 19:31

O Botafogo perdeu em casa para o Ceará, mas não deve e nem pode lamentar muito. Líder da Série B com 59 pontos, o Glorioso terá uma sequência difícil de jogos e o próximo compromisso será o Náutico, sábado, em Pernambuco. O Timbu ainda briga pelo acesso e o zagueiro Roger Carvalho vê a partida como uma boa oportunidade para reencontrar o caminho da vitória após sete rodadas sem perder na competição nacional.

- Ninguém esperava esse resultado negativo em casa, mas sabemos que o campeonato é difícil. Foi apenas a nossa segunda derrota em casa em toda a competição. Nos deixou um pouco frustrado, mas sabemos que temos condições de fazer partidas melhores. Temos que encarar o Náutico com o espírito de guerra para que possamos ficar com a bola a maior parte do tempo para procurar fazer um grande jogo e chegar ao resultado positivo - ressaltou o zagueiro.

Confira os principais trechos da entrevista coletiva de Roger Carvalho:

DERROTA CONTRA O CEARÁ

- Nós não conseguimos criar e envolver a equipe deles com um toque de bola rápido. Vieram fechados e com o próposito de jogo definido para matar no contra-ataque. Ficou um jogo truncado e feio de assistir. É procurar melhorar para buscar as chances de gols que criamos durante os jogos. Ontem foi um jogo atípico.

PÊNALTI MAL MARCADO

- Falar sobre a arbitragem é chover no molhado. Nós só precisamos concentrar em jogar futebol. Paciência, é deixar a diretoria cuidar dessa parte. Temos que nos preocupar apenas em jogar futebol.

EXPECTATIVA FICA PARA A TORCIDA

- A gente deixa essa contagem regressiva para a torcida e pensamos jogo a jogo. Vamos um passo de cada vez para alcançarmos o nosso objetivo. O pensamento agora está no Náutico.

SEM TEMPO PARA LAMENTAR


- Estávamos há sete jogos sem perder e essa derrota acabou acontecendo. Infelizmente foi agora, mas não temos tempo para lamentar. Sábado já temos o jogo contra o Náutico e temos que fazer uma grande partida lá.

CADA JOGO É UMA HISTÓRIA


- Cada um encara a partida como se fosse a última do campeonato e sempre pensando em vencer. É como se fosse uma guerra e temos que entrar determinados contra qualquer adversário.

TORCIDA NO ESTÁDIO NILTON SANTOS

- A gente entra em campo e, para falar a verdade, nem reparamos muito nisso. Jogamos com eles dentro da partida e eles estão conosco. O importante foi o apoio de quem veio, são bem fiéis. Temos que nos concentrar nesse apoio e não na quantidade.

PRESSÃO NO BOTAFOGO

- É uma pressão natural para uma equipe grande e de massa como o Botafogo. Sempre seremos cobrados em qualquer competição que a gente entrar. Estamos acostumados com isso e somos profissionais. A cobrança está entre nós jogadores. Ela existe na vitória e na derrota. O sentimento não é o que queríamos, mas agora é levantar a cabeça e já pensar na próxima partida.

Marcos Silva