notícia

Confiança no trabalho

Volante credita liderança ao trabalho e quer título como presente
Atualizado em 05-03-2015, 18:54

O Botafogo segue líder e invicto para o clássico contra o Fluminense, domingo, às 18h30, no Maracanã. Com a chance de ampliar a vantagem na ponta da tabela, o time de René Simões terá que suar a camisa. O volante Marcelo Mattos colocou o Botafogo no caminho certo e espera o título como presente e motivação para a sequência da temporada.

- Para as pessoas de fora o Carioca pode ser um laboratório, mas para a gente é trabalho. Não tem que pensar no Campeonato Brasileiro, vai ser depois. Se reforçar é bom para qualquer equipe e a liderança pra mim não é surpresa alguma. O Botafogo hoje tem o Jefferson como craque e temos que trabalhar para ajudar o clube. Espero ter o título como prêmio para começar o Campeonato Brasileiro ainda mais motivado - disse Mattos.

Confira os principais trechos da entrevista coletiva:

ROTINA DE CLÁSSSICOS

- Não é fácil jogar dois clássicos seguidos. Contra o Flamengo tivemos o resultado positivo e agora enfrentaremos o Fluminense, que tem jogadores perigosos e causará dificuldades. Estamos trabalhando essa semana para chegar bem contra o Fluminense também.

TUDO IGUAL

- Acredito que o Fluminense não vai vir pressionado. Do lado de lá tem jogadores experientes e nós estamos preparados. Lideramos agora, mas não estamos com essa bola toda não. Sabemos que vai ser um jogo difícil e temos que encarar como foi contra o Flamengo.

O QUE VALE É A BOLA ROLANDO

- A diferença de salário não entra em campo e o que vale é o momento do jogador. Isso que vai influenciar no jogo. O Fred é um grande jogador e costuma fazer gols contra o Botafogo. É um jogador de seleção brasileira e temos que ter cuidado com ele. Precisamos ter atenção no jogo de domingo.

TRABALHO COMO REFERÊNCIAL

- Sempre tenho falado da escolha da diretoria e depois dos jogadores. O importante é manter o foco no trabalho e no objetivo que você quer alcançar lá na frente. No começo do ano o Botafogo era um time desacreditado por todos, mas nós confiávamos desde o começo da temporada. Isso se chama trabalho e não podemos achar que ganhamos alguma coisa. É encarar com seriedade para que as coisas aconteçam.

MUDANÇAS NO MEIO

- O Jardel é um meia mais técnico, um jogador que tem condições de colocar o outro na cara do gol. O Gegê é mais rápido e novo, com uma disposição para buscar o espaço. O René tem essas duas opções e é legal ver isso, a mudança que aconteceu e hoje temos até brigar por posição. É uma boa dor de cabeça para o professor René.

JEFFERSON NA SELEÇÃO

- É um jogador que faz falta até no treino. Sempre estamos discutindo as coisas, até no dia a dia. Ele é um monstro e se tiver que servir a seleção brasileira é um presente que está tendo por merecimento. Temos bons goleiros e eu confio muito no Renan e no Helton. Não temos preocupações com os goleiros.

RENÉ SIMÕES

- Sempre quando troca um treinador você vê diferença de um para outro. René sempre está mantendo a humildade e cobrando da gente. Por ser uma equipe jovem ele está ajudando muito no dia a dia dentro e fora de campo. Contra o Flamengo ele já demonstrou sua capacidade e temos ainda muito o que evoluir. O segredo é sempre estar ligado e vamos continuar assim.

PENDURADO COM DOIS CARTÕES AMARELOS

- Só contra o Nova Iguaçu que eu não queria tomar mesmo. É uma circunstância do jogo e mostra que você está melhorando fisicamente. Com a velocidade e o arranque você acaba tomando a frente do jogador, sem a necessidade da falta. Às vezes acabo tomando o amarelo minha posição em campo, mas espero não tomar o cartão amarelo contra o Fluminense e possa permanecer em campo.

AGORA É JOGAR

- Acho que as duas equipes vão propor o jogo. O Fluminense sempre foi assim e o Botafogo também vai jogador. Quem vai ganhar com isso vai ser a torcida. Espero que seja um jogo maravilhoso.

Marcos Silva