notícia

Tu És o Glorioso - 6

Em 1988, Fogão vence Dream Team do Barcelona em final de torneio na Espanha
Atualizado em 24-02-2015, 17h25

Por Auriel de Almeida - Historiador

Os momentos difíceis vividos pelo Botafogo na década de 80 não abalaram o prestígio do clube no exterior, e os convites para torneios na Europa continuavam chegando. Em 1988, o Glorioso foi para a cidade de Palma de Mallorca, na Espanha, disputar o Torneio Cidade de Palma, que reuniria também Barcelona, Boca Juniors e o anfitrião Real Mallorca.

A campanha do título começou em um dia 12 de agosto, aniversário do clube, com uma vitória categórica sobre o Boca Juniors na semifinal por 3 a 1 - gols de Josimar, Carlos Magno e Helinho. O jogo foi violento e  terminou com cinco expulsões, duas do lado alvinegro, Helinho e Luisinho. Na outra chave, o Barcelona eliminou o Real Mallorca nos pênaltis e se classificou para a decisão, já no dia seguinte.

O Barça era favoritíssimo: treinado pelo lendário Cruyff, iniciava naquela temporada a era do chamado "Dream Team" catalão que levantaria 12 títulos em seis anos. Mas o Botafogo havia montado sua equipe mais forte dos últimos anos, conhecida como "Os Cavaleiros da Esperança" e base da memorável conquista do título estadual invicto de 1989. A final prometia muita emoção.

Josimar
Josimar com a taça ganha pelo Botafogo

O JOGO

Taticamente perfeito, o Botafogo do treinador Pinheiro conseguiu anular o poder ofensivo do Barcelona de Cruyff, que pouco ameaçou no primeiro tempo. Com um forte bloqueio no meio-de-campo, os alvinegros forçavam a perda de bola dos adversários e proporcionavam bons contra-ataques. O barcelonista Soler, escalado na esquerda para explorar os espaços deixados por Josimar em suas investidas no ataque, mal viu a cor da pelota. E aproveitando o bom momento, o Bota marcou um gol aos 21 minutos, quando Gottardo deu ótimo passe para Carlos Magno, que avançou pela direita e chutou forte. A bola passou por Zubizarreta, Recarte salvou quase em cima da linha mas Marinho pegou a sobra, fazendo 1 a 0 para o Fogão.

O Barcelona fez alterações para o segundo tempo, com o atacante Soler trocando de posição com o meia Begiristain, melhorando bastante no jogo. E logo aos três minutos teve a chance de empate, quando Josimar derrubou Begiristain na área - pênalti muito reclamado pelos alvinegros. Só que Carrasco, em um mau dia, chutou para fora.

O pênalti perdido não desanimou os catalães, que dominaram quase todo o segundo tempo - a única chance clara do Botafogo foi aos 10 minutos, quando Marinho tentou surpreender Zubizarreta com um chute forte de fora da área, mas o goleiro do Barça conseguiu espalmar. As melhores chances do Barcelona foram defendidas por Ricardo Cruz: aos 14 minutos, em chute de Berigistain dentro da área após passe de Salinas; aos 17, em jogada idêntica protagonizada por Recarte; e aos 30, em uma cabeçada à queima roupa de Urbano que teve que ser tocada por cima do travessão.

Tentando sua última cartada Cruyff sacou Soler, devolveu o exausto Begiristain para o meio-de-campo e colocou Roura no ataque - mas não adiantou. O Botafogo, que não fez nenhuma substituição, manteve o controle do jogo nos minutos finais, conquistando aplausos de uma plateia que até então torcia ardorosamente para o Barcelona, mas soube reconhecer o valor do Clube da Estrela Solitária.

materia
A final contada por jornal espanhol: clique na imagem para ampliar e ler melhor


==Ficha técnica==

Sábado, 13 de agosto de 1988
Botafogo 1 x 0 Barcelona – Local: Estádio Lluís Sitjar
Troféu Cidade de Palma  – Final

Botafogo: Ricardo Cruz, Josimar, Wilson Gottardo, Mauro Galvão e Renato Martins; Luisinho, Vítor e Carlos Magno; Marinho, Mazolinha e Gilmar. Técnico: João Batista Carlos Pinheiro.

Barcelona: Zubizarreta, López Recarte, Serna, Milla e Julio Alberto; Eusébio (Urbano), Roberto e Begiristain; Carrasco, Julio Salinas e Soler (Roura). Técnico: Hendrik Johannes ‘Johan’ Cruijff.

Árbitro: Victoriano Sánchez Arminio

Gol: Marinho, aos 21'/1ºT

Público: 10.000 (aproximadamente)