notícia

Tu És o Glorioso - 4

Uma viagem à decada de 30: Fogão goleia Corinthians e é campeão dos campeões
Atualizado em 10-02-2015, 18:02

Por Auriel de Almeida - Historiador

Por muito tempo não existiu uma competição nacional de clubes no Brasil - o primeiro Campeonato Brasileiro era disputado por seleções estaduais e amplamente dominado por cariocas e paulistas, os principais centros de futebol do país na era amadora e em boa parte da era profissional. Nesse contexto, as disputas valendo taça entre os campeões dos dois estados - antecessoras do Torneio Rio-São Paulo - eram consideradas pelo público esportivo como um tira-teima para definir o campeão honorário do país.

Em 1931, Botafogo e Corinthians, campeões carioca e paulista do ano anterior, foram os disputantes. O clube paulista era o atual vencedor da Taça dos Campeões - feito eternizado em seu hino após duas vitórias sobre o Vasco da Gama ("Salve o Corinthians, o Campeão dos Campeões") - e venceu o primeiro jogo por 2 a 0 em São Paulo, contra um Botafogo levemente desfalcado.

A volta de Carvalho Leite, principal craque carioca, aumentava o favoritismo botafoguense no jogo de volta. Mas os corintianos, que só precisavam de um empate, tinham um time de respeito. O que aconteceria naquela noite surpreenderia o mais otimista dos torcedores.

Botafogo x Corinthians - Campeão dos Campeões

O JOGO

O primeiro tempo cumpriu a expectativa de uma partida equilibrada. O Corinthians, ligeiramente melhor no começo do jogo, saiu na frente com Bertone aos 18 minutos depois de cobrança de escanteio perfeita de Filó: 1 a 0 para os paulistas. Após o gol o Botafogo cresceu, e aos 32 Carvalho Leite deu bom passe para Nilo, que cortou os zagueiros Grané e Del Debbio antes de concluir com força: 1 a 1. O resultado dava o título para o Timão, e o Botafogo precisava melhorar muito na etapa final.

Os dois times voltaram com o mesmo ímpeto no segundo tempo, mas logo aos cinco minutos a sorte sorriu para o Glorioso. O goleiro corintiano Colombo saiu mal em um cruzamento, a bola sobrou para Carvalho Leite e este tocou para Nilo, livre, marcar o gol da virada: 2 a 1. Aos 15 outra falha de Colombo, que espalmou uma cobrança de falta nos pés de Carvalho Leite, que não perdoou: 3 a 1. E em dois minutos o Glorioso aumentou a conta: Ariza cruzou e Nilo se antecipou ao goleiro, marcando o quarto de cabeça.

O técnico corintiano, irritado, trocou Colombo por Tuffy. Mas como a noite era mesmo do Botafogo, o reserva foi vazado em sua primeira chance de mostrar serviço - desta vez a culpa foi do zagueiro Del Debbio, que atrasou uma bola sem força para o goleiro. O botafoguense Paulinho venceu Tuffy na corrida, fazendo o quinto na saída do rival. Completamente desestabilizado, o Corinthians ainda sofreu mais dois belos gols: o sexto com Nilo, que driblou três rivais antes de concluir por cobertura, e o sétimo com Carvalho Leite, que driblou "apenas" dois antes do chute (que contou com um leve desvio de Grané em tentativa de corte). E ainda agradeceu ao árbitro, que deixou de marcar nada menos do que três pênaltis para os botafoguenses.

O placar absurdo de 7 a 1 não garantia o título - com uma vitória para cada lado, o saldo de gols dava apenas a vantagem do empate aos botafoguenses em uma terceira partida. Só que o Corinthians, já convencido da superioridade alvinegra, abriu mão do jogo extra, e as federações do Rio e de São Paulo oficializaram a entrega da taça daquele ano ao Glorioso, o Campeão dos Campeões.

==Ficha técnica==

Botafogo 7 x 1 Corinthians
Local: Campo da Rua General Severiano
Quarta-feira, 6 de maio de 1931
Taça dos Campeões Estaduais Rio-São Paulo – 2º Jogo

Botafogo: Pedrosa, Benedicto e Octacílio; Pamplona, Martim e Canalli; Ariza, Paulinho, Carvalho Leite, Nilo e Celso. Técnico: Nicolas Ladanyi.

Corinthians: Colombo (Tuffy), Grané e Del Debbio; Leone, Guimarães e Munhoz; Filó, Napoli, Bertone, Rato e De Maria. Técnico: Virgílio Montarini.

Árbitro: Vittorio Silvestre Teixeira, sócio do S.C. Internacional (SP).

Gols: Bertone aos 18/1ºT e Nilo aos 32/1ºT; Nilo aos 5/2ºT, Carvalho Leite aos 15/2ºT, Nilo aos 17/2ºT, Paulinho aos 20/2ºT, Nilo aos 36/2ºT e Carvalho Leite aos 43/2ºT.

Público: 4.000 (aproximadamente)