notícia

Com raça e coração

Ainda sem saber se jogam domingo, Jefferson e Mattos pedem semana de superação
Atualizado em 31-01-2014, 20h10

Uma semana com o primeiro clássico do ano (contra o Vasco, domingo, no Maracanã) e a decisão da vaga na fase de grupos da Libertadores (contra o Deportivo Quito, quarta-feira, no Maracanã). Aliado ao desgaste da longa viagem do Equador para o Brasil, o Botafogo tem dois grandes desafios pela frente e retomou a preparação nesta sexta-feira, no Stadium Rio.

Os titulares do jogo de ida com o Deportivo Quito (EQU) fizeram um treino físico, enquanto os demais uma atividade tática. A grande dúvida fica em relação a qual será o time que enfrentará o Vasco domingo, pelo Campeonato Carioca.

"Conversamos sobre a importância das duas competições. O Carioca vinha sendo uma oportunidade para quem não vem jogando mostrar seu potencial. Às vezes, se sofre entrosamento, mas não pode faltar raça e coração dentro de campo, independentemente do time que for entrar", pede Jefferson, que ainda não sabe se jogará.

"O Botafogo fez o planejamento no começo do ano e vamos seguir. Isso é conversado. Depois do jogo de Quito, falamos em jogar, mas vimos que o desgaste é grande, talvez possamos ser poupados ou não. É difícil falar que estou pronto ou se não vou jogar. O que for melhor para o Botafogo faremos. Vamos entrar fortes domingo e ver o que é melhor no planejamento, pois o jogo de quarta é importantíssimo e precisamos estar preparados", argumenta o goleiro.

TORCIDA CONVOCADA

Também em dúvida se enfrentará o Vasco, Marcelo Mattos não nega que a expectativa é maior para o jogo com o Deportivo Quito (EQU). O volante promete deixar tudo dentro de campo para sair com a classificação.

"Será espírito de luta, de vitória. É nosso objetivo, colocar o coração na ponta da chuteira. Depois, vamos ter o ano todo para trabalhar bem técnica e taticamente, evoluir. Quarta temos que colocar a bola para dentro, tentar fazer 2 ou 3. Não vemos a hora de chegar quarta-feira", diz Mattos, antes de convocar a torcida.

"Queremos ver muita gente no Maracanã, estádio cheio. Entrar em campo e ver a arquibancada lotada tem uma mudança muito rápida, é energia boa, Tem muito tempo que o Botafogo não disputa a Libertadores, é meu sonho. Essa composição campo e torcida vai ser muito importante", finaliza.

Danilo Santos